O erro número 1 que mais está endividando as pessoas nessa pandemia

Publicidade

O endividamento das famílias atingiu um nível recorde no ano passado devido à pandemia de Covid-19, de acordo com dados do Banco Central e da Confederação Nacional de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Em novembro de 2020, segundo o BC, o endividamento das famílias com bancos representava 51% da receita acumulada nos 12 meses anteriores, marcando um novo recorde da série histórica iniciada em janeiro de 2005. No cálculo, todos as dívidas são registrados com o bancos , incluindo crédito para compra própria.

Apesar da situação, podemos ressaltar algumas dicas para cuidar do seu dinheiro e evitar entrar nesta lista. Então, conheça 5 dicas para evitar o endividamento:

Controle suas despesas

A primeira dica é: lembre-se de quais são seus gastos no dia a dia, pois saber quanto e quanto você está gastando é fundamental para administrar seu dinheiro.

Publicidade

E existem várias maneiras de gerenciar suas finanças pessoais: você pode anotar em um caderno, usar uma planilha do Excel ou até mesmo aplicativos no seu celular.

Por exemplo, o aplicativo permite que você registre seus gastos na hora da compra, evitando o esquecimento.

Independentemente da escolha, o monitoramento diário dos custos é essencial. Dessa forma, é possível administrar seu orçamento de forma mais realista.

Fuja dos gastos desnecessários

Se você quer escapar de dívidas e manter sua vida financeira saudável, é muito importante evitar gastos desnecessários. Embora à primeira vista pareça pouco.

Publicidade

A questão é muito fácil, se você não precisar realmente comprar determinada coisa, não compre

Uma das coisas que mais atrapalha a vida financeira das pessoas e leva ao endividamento são os gastos pequenos e desnecessários.

A pessoa pensa que é pouco dinheiro e não vai fazer diferença no final. No entanto, o que ocorre é que essas pequenas despesas se acumulam gradativamente e os controles orçamentários são perdidos.

Portanto, uma das melhores maneiras de proteger sua carteira de dívidas é evitar despesas desnecessárias e pequenas despesas que você pode achar bobas. Mas, eventualmente, pode prejudicar seriamente o seu orçamento.

Não gaste mais do que recebe!

Embora esta regra pareça simples, são pouquíssimas as pessoas que conseguem segui-la. Geralmente, há um descontrole e as pessoas acabam gastando mais dinheiro do que recebem durante o período.

Esse é um erro grave que fará com que qualquer pessoa afunde ainda mais sua vida financeira. Por exemplo, quem ganha R$ 2.000,00 por mês não pode gastar R$ 3.000,00. Essa falta de controle faz com que o endividamento saia gradativamente do controle do consumidor, criando uma bola de neve que tende a aumentar.

Você tem que enfrentar sua própria realidade e ajustar seu padrão de vida à sua situação financeira.

Busque fontes de renda alternativas

Se o dinheiro está muito apertado no final do mês e além disso você ainda tem que se preocupar com dívidas, que tal procurar novas fontes de renda?

Você pode apostar em uma renda adicional para complementar sua renda e também para economizar mais dinheiro. Quem sabe você comece a planejar uma reserva de emergência para o seu futuro.

Invista em educação financeira

Para ter uma vida financeira saudável e não endividar-se, é importante que toda a sua família receba uma boa dose de educação financeira.

Todos os membros da família, sem exceção, devem conhecer as estratégias que são adotadas para organizar o planejamento financeiro do grupo familiar. Incluindo crianças.

Inclua as crianças no planejamento financeiro doméstico. E dar a eles uma boa educação financeira é uma ótima maneira de criar adultos responsáveis ​​por suas finanças.

Ao invés de saber o que está sendo feito para estruturar o orçamento familiar, todos os familiares, incluindo crianças e adolescentes, devem participar desse planejamento financeiro.

Ativamente, contribuindo, conforme suas possibilidades, no pagamento de algumas pequenas despesas domésticas, por exemplo.

Por que as pessoas estão se endividando?

A má gestão das finanças pessoais é uma das principais causas da dívida familiar. Quando alguém não tem certeza de quanto ganha e quanto gasta, administrar suas finanças pessoais se torna uma tarefa muito difícil, senão impossível.

Nesse caso, a solução é ter o controle das contas e fazer uma educação financeira para saber como resolver esse problema. Por não procurar um consultor financeiro pessoal, é mais barato investir em conhecimento do que passar muitas noites sem dormir e ganhar milhares de dólares em juros.

Outro fator é a Reserva de emergência. A reserva de emergência faz parte do tripé de finanças pessoais e é uma recomendação obrigatória de todos os educadores financeiros.

A grande maioria das pessoas não possui uma reserva financeira para emergências (a recomendação equivale a três a seis meses de seu lucro líquido) para emergências.

Dessa forma, se ocorrer qualquer imprevisto você terá possibilidade de arcar sem grandes preocupações.

Confira Também