Empréstimo fácil de aprovar: Saiba como fazer uma boa escolha!

Quando as necessidades financeiras falham Nem sempre há tempo para esperar, afinal, uma oportunidade ou emergência única na vida pode surgir sem avisar e nos surpreender. Nestas situações as pessoas estão procurando mais do que apenas ajuda financeira na forma de empréstimos, mas é um empréstimo fácil de aprovar.

Publicidade

Conheça os diferentes modelos de empréstimos disponíveis no mercado, qual linha é mais fácil de aprovar e descubra como você pode acelerar o processo de contratação!

» Leia também: Empréstimo do Banco Original 100% online: capital extra, como contratar!

Linha de empréstimo fácil de aprovar: Quais estão disponíveis?

Muito provavelmente, todo consumidor já ouviu falar de um empréstimo em algum momento de sua vida. E esteja ciente dos passos básicos para trabalhar: as pessoas que precisam de dinheiro procurarão as instituições financeiras que analisam os antecedentes dos candidatos para decidir se oferecem um empréstimo.

Publicidade

O valor solicitado e por um determinado valor de cobrança é chamado juros, além de outras despesas.

No entanto, existem muitas possibilidades no conceito de “empréstimo”, podendo conseguir sem avaliação, por avaliação, pago com descontos automáticos, com bens ou na forma de carnê.

Um ponto significativo que podem afetar o orçamento do empregador: é a taxa de juros.

Confira abaixo os 5 principais modelos de empréstimo disponíveis no mercado:

Publicidade

1. Crédito consignado:

As taxas de juros são o principal fator competitivo do crédito consignado, conhecido pelas menores taxas de juros do mercado.

Outra característica que o diferencia dos demais é as parcelas serem reembolsadas mediante a dedução do salário ou benefícios. Essa condição reduz muito o risco de inadimplência e faz com que as taxas de juros dos bancos sejam mais baixas.

Isso evita que o mutuário envie seus ganhos para a folha de pagamento. A lei estabelece um limite de quanto a renda de um consumidor pode ser usada como empréstimo. Esse limite é chamado margem consignável e está atualmente fixo em 40% pela lei 14.131/2021, desse valor, 35% é destinado ao empréstimo consignado e os 5% restantes para outras opções de crédito consignado.

Uma pessoa física que recebe, por exemplo, R$ 3.000 mil por mês, pode destinar até R$ 1.050,00 para quitar o empréstimo e até R$ 150,00 para pagar as parcelas mensais do cartão consignado.

Publicidade

Para contratá-lo, o consumidor deve registrar uma solicitação junto à instituição financeira prestadora do serviço, enviar documentos pessoais, aguardar análise e liberação da agência pagadora.

2. Empréstimo pessoal:

Diferente do crédito consignado, os empréstimos pessoais são pagos pela pessoa que recebe o empréstimo.

Isso significa que ela é obrigada a cobrar uma parcela mensalmente de seu salário, sob cobrança de juros e multa por atraso no pagamento caso aconteça.

Os empréstimos pessoais não têm garantia de reembolso, aumentando o risco de inadimplência no mercado financeiro. Os juros são proporcionais ao risco de não pagamento, consequentemente a taxa de juros será maior.

Empréstimo Fácil de Aprovar

As linhas de crédito mais utilizadas no mercado!

(Você será transferido para outro conteúdo)

Portanto, a taxa de juros dos empréstimos pessoais é maior que os empréstimos salariais ou créditos garantidos.

Qualquer pessoa pode contratar um empréstimo pessoal. Desde que forneçam à instituição financeira a documentação necessária para avaliar se podem quitar suas dívidas. O banco analisa o histórico de pagamentos do solicitante e a avaliação do mercado consumidor.

3. Empréstimo com garantia:

Em empréstimos garantidos, os mutuários oferecem certos ativos, como propriedades, veículos ou investimentos financeiros. Como diretriz para garantir que a instituição terá o pagamento da dívida.

Colocar um ativo como garantia para pagamentos reduz as taxas de juros, pois, se o contratante não puder pagar o empréstimo, deverá fornecer um carro, casa ou aplicação financeira para a instituição como maneira de pagamento da dívida.

O processo de celebração de um contrato é semelhante ao anterior: o consumidor faz um pedido, a instituição analisa o perfil para avaliar se o cliente atende aos requisitos e se tudo estiver certo dinheiro será liberado.

4. Crédito rotativo:

No crédito rotativo, os empréstimos não são realizados da maneira tradicional, onde os clientes precisam de dinheiro e as instituições financeiras o analisam para liberar.

Este modelo de empréstimo está disponível em cartões de crédito. Portanto, pode ser duvidoso se é um método de pedir dinheiro emprestado ou não.

Quando o consumidor recebe uma fatura no cartão e, paga um valor inferior ao vencimento total, o restante que ele ainda deve quitar no que o mercado chamado crédito rotativo, sendo um tipo de empréstimo de curto prazo com juros também altos.

O valor restante pode ser pago em dinheiro, outras parcelas ou parcelado. Um limite de crédito está disponível no momento do reembolso. Em ativação Os consumidores pagam apenas qualquer valor inferior ao total.

5. Cheque especial:

Da mesma maneira que o crédito rotativo, no empréstimo cheque especial os clientes não precisam fazer o pedido em instituições financeiras.

As instituições onde o consumidor possui conta corrente disponibilizam um valor pré-aprovado que o cliente pode utilizar a qualquer momento em um caixa eletrônico ou até mesmo em um aplicativo bancário.

O valor pré-aprovado pelo banco é determinado pela renda do cliente. Portanto, pode variar de pessoa para pessoa.

Publicidade

Isso porque o valor liberado está vinculado à conta do consumidor. Portanto, não há necessidade de olhar para a ordem. Envie documentos e autorizações pela mesma razão As taxas de juros são geralmente muito mais altas do que outras taxas.

Para te dar uma ideia, a taxa de juros anual do cheque especial é dez vezes o salário.

Confira Também