Golpe do crédito fácil: Saiba como evitar fraudes!

Anúncios

Nestes tempos de turbulência econômica e níveis recordes de dívidas pessoais, os golpes de empréstimo são mais prevalentes do que nunca.

Os roubos de dinheiro são possíveis porque os ladrões usam ofertas de crédito fraudulentas para atacar aqueles que já estão em uma situação financeira precária.

Anúncios

Eles fingem ser negócios legítimos e exigem que você lhes envie dinheiro para colocar as mãos no dinheiro que não existe.

Para saber como proteger suas finanças desse perigo, continue lendo.

Anúncios

Leia também: Empréstimo pessoal Itaú com taxas acessíveis – Veja mais!

Como funciona o golpe do crédito?

Um golpe do crédito é uma forma de peculato em que o dinheiro é roubado de vítimas inocentes por meio de acordos de empréstimo falsos.

Crédito fácil pode ser fraude – Fonte: Google

Vigaristas vão explorar a promessa de “crédito fácil” como uma diversão enquanto roubam sua identidade, drenam sua conta bancária e exigem um “depósito de segurança”. A previsão contratual de multa na ausência de autorização da Receita Federal ou de fiança até o primeiro pagamento justifica o valor do adiantamento. Depois que o cliente faz um depósito ou transferência, o impostor desaparece com o dinheiro, deixando o mutuário sem o empréstimo e ainda mais endividado.

Consumidores em posições mais fracas, como aqueles com altos níveis de endividamento, são mais propensos a cair no engano. A oferta é atraente, pois o operador de negócios falso está disposto a trabalhar com um cliente que tem uma má reputação no setor. Apenas um grupo do crime organizado no país foi responsável por esses roubos, totalizando R$ 30 milhões. Segundo o site G1, a polícia fez as prisões em julho.

Uma análise recente da Reclame Aqui descobriu que a fraude em empréstimos aumentou impressionantes 198% nos últimos anos.

A proliferação de novas fintechs e instituições financeiras, bem como a expansão do mercado de crédito existente, são responsáveis ​​por esse crescimento.

Os fraudadores estão aproveitando a expansão dos serviços financeiros ao se passarem por representantes de instituições legítimas para solicitar informações pessoais com o objetivo de lançar fraudes de empréstimos falsos.

Desde o início da pandemia, consumidores de todos os tipos procuram empréstimos como uma opção para lidar com os custos crescentes associados à atual crise financeira, desemprego e inflação. No entanto, usar o crédito com sucesso requer cautela, preparação e medidas de segurança.

Mecanismo de golpe do crédito falso

Os golpes de empréstimos falsos geralmente começam quando um vigarista se apresenta como um trabalhador do setor bancário e contata suas vítimas por telefone, WhatsApp, e-mail ou mídia social.

Anúncios colocados por vigaristas em mecanismos de busca, sites, redes sociais e mídia impressa podem atrair vítimas.

Muitas vezes, eles fingem trabalhar para organizações financeiras respeitáveis ​​ou agências governamentais como a Receita Federal ou o Banco Central.

O vendedor então apresenta à vítima um empréstimo que apresenta taxas de juros abaixo do mercado e condições “imperdíveis”.

Os criminosos geralmente atacam os estereotipados negativamente e os profundamente endividados, que têm dificuldade em obter crédito e aceitam quase qualquer oferta para pagar suas dívidas.

Os golpistas imitam o processo de solicitação de empréstimo bancário coletando informações pessoais e entregando um contrato a ser assinado após a vítima aceitar o empréstimo.

Depois de concordar com os termos do contrato, o signatário pode sabotar qualquer tentativa de pagar a quantia acordada.

Um contra-argumento frequente é que os recursos do empréstimo ficam reféns até que o IOF seja pago integralmente (Imposto sobre Operações Financeiras).

Mas o IOF é cobrado pelas instituições financeiras e já está contabilizado no Custo Efetivo Total (CET) dos empréstimos, a uma alíquota máxima de 3% por operação, portanto, isso não faz sentido.

Os golpistas, no entanto, usam esse imposto como cobertura para instar suas vítimas a enviar dinheiro para “liberar o crédito”. Esta soma é bem superior à taxa de imposto real.

Além de citar os custos de comissão ou seguro, os criminosos podem citar várias razões para exigir o pagamento adiantado.

Quando a vítima envia o dinheiro, os vigaristas desaparecem e nunca mais veem o dinheiro.

Esquemas alternativos de fraude de empréstimo na Internet

Existem vários tipos de fraude de empréstimo que você acabou de investigar. Veja a seguir quais são:

Confira Também